Cartografia da racionalidade moderna

cartografia-da-racionalidade-moderna

Editor
Split
Preview

## , por Alexandre Araújo Costa​Texto originalmente pubicado em Milovic, Miroslav; Sprandel, Maia; Costa, Alexandre Araújo; Nascimento, Wanderson Flor do (orgs.). Sociedade e Diferença. Brasília: Casa das Musas, 2005.​### Entre metáforas e paráfrases​Teorias são metáforas sobre o mundo, mesmo quando pretendem ser paráfrases. Isso acontece porque, apesar de os teóricos normalmente utilizarem uma linguagem denotativa (essa linguagem que privilegia o rigor ao estilo e que comumente chamamos de científica), por trás dos sentidos literais pulsam valores e símbolos, crenças ancestrais e modernas que integram os nossos modos de organizar experiências e constituir a realidade. E esses elementos que subjazem à teoria são justamente o ponto cego das concepções tradicionais e modernas.​As perspectivas tradicionais[^1] não tematizam seus próprios pressupostos porque eles são tidos como verdades óbvias. Um grego não precisava justificar perante o cidadão a predominância da pólis e da tradição; um cristão não precisa justificar para outro porque os mandamentos do seu deus são obrigatórios; um pai não justifica perante o filho o seu poder. Tudo isso é sentido como parte da ordem objetiva do mundo, fatos tão evidentes e naturais que não faz sentido algum colocá-los em dúvida.​Nesse contexto, a função das teorias é a mesma que a função das artes: *representar* o mundo, um mundo que é percebido como um fato objetivo, que existe independentemente do homem e que se desvela perante um olhar cuidadoso, de tal modo que a atividade cognitiva é percebida como contemplativa e não como criadora[^2]. O teórico, tal como o artista de então, não tinha como objetivo criar novos conceitos e símbolos, mas simplesmente representar o mundo em palavras e imagens, o que faz com que a qualidade tanto da arte como da teoria seja medida em razão de sua fidelidade ao modelo original. E a fidelidade é o critério de avaliação da paráfrase, e não da metáfora.​É certo que o mundo, então, era outro, pois não havia uma redução do real ao empírico, redução esta que somente foi operada pela modernidade por volta de 1600, quando as explicações mecânico-causais tornaram-se as únicas explicações aceitáveis. As alegorias de Platão, que explicava o mundo por analogias, eram possivelmente sentidas mais como poesia do que como ciência, pois o objetivo do conhecimento *moderno* era mais próximo da paráfrase aristotélica, que explicava os fenômenos a partir de suas causas. Porém, enquanto a metafísica aristotélica implicava a aceitação de uma finalidade para as coisas[^3], colocando lado a lado *causa final*, a *eficiente*, a *material* e a *formal*, a metafísica moderna somente admite a explicação pela causa *eficiente*, recusando as outras categorias causais aristotélicas.​Com a modernidade, muita coisa foi alterada, mas restou inalterada a identificação da verdade com uma descrição fiel da realidade, de forma que as concepções modernas continuaram tratando as artes e as ciências como formas de representar do mundo. Se as representações medievais foram sendo consideradas cada vez mais toscas, pueris até, em seu "irrealismo", as representações antigas foram julgadas merecedoras da maior deferência, pois antiguidade greco-romana fornecia muitos modelos que o renascimento fixou como modelos a serem seguidos.​Como não se supunha ainda que talvez o mundo fosse uma invenção nossa, o desafio do homem era compreender o mundo, desvendar suas leis, descobrir o modo do seu funcionamento. Quem enfrentou este desafio talvez acreditasse estar criando uma nova arte, uma nova filosofia ou um novo homem, mas não acreditava estar moldando um mundo novo, e sim desvelando uma realidade que, embora sempre tenha existido, não era devidamente conhecida. Para eles, não se tratava de uma *revolução* (ligada à criação de uma nova ordem), mas de um *renascimento* (ligada ao retorno à verdade e aos valores esquecidos).​Embora esta valorização da paráfrase[^4] implique um culto da representação, isso de modo algum significa uma necessária desvalorização da capacidade criativa. O gênio parafraseador não é quem inventa o mundo, mas quem inventa formas novas de representá-lo, desvelando e esclarecendo o que outros não viam. Imenso é o desafio desses artistas que se esforçaram para conquistar a capacidade de traduzir em imagens ou em palavras a vida, a tensão, a luz, a dor, o medo. Quando Leonardo inventou o *sfumato*, ele se tornou capaz infundir uma nova vida às imagens. Compare com os dele os quadros de Mantegna ou de Uccello, e estes parecerão retratos de estátuas! Mas Leonardo não pretendia ter inventado os seres humanos, assim como Michelangelo não inventou a confiante energia do David a espera de Golias.​O mundo é o modelo criado pelos deuses e não pelos homens, de forma que as teorias filosóficas e científicas, tal como as obras de arte, devem apenas refleti-lo. O reflexo, a tradução, a representação, a mimeis, todas essas palavras expressam a idéia de uma fidelidade ao modelo, o que somente pode ser conquistado a partir de um olhar objetivo. Frente a esse novo olhar sobre o mundo, a arte e os conhecimentos anteriores pareceram *ultrapassados*. Essa nova objetividade, manifestada em padrões de pensamento que vieram a ser chamados de *racionais*, consolidou-se gradualmente como o padrão correto de descrição do mundo.​Mas o humanismo do renascimento ainda não era o racionalismo moderno, pois a valorização do homem não implicava a negação da transcendência, havendo ainda espaço para a metafísica tradicional, o misticismo e a teologia. Embora o papel do filósofo fosse refletir o mundo, este ainda não havia sido reduzido ao mundo finito dos fenômenos empíricos. Além disso, apesar de a razão ser um instrumento com força crescente, ainda vigia a crença tradicional de que boa parte do mundo era oculta à investigação racional, Assim, antes do século XVII, a racionalidade dedutiva e matemática era um instrumento importante, mas não era a única forma reconhecida como correta.​No *quattrocento* italiano, Nicolau de Cusa utilizava metáforas matemáticas, mas ainda supunha a existência de um intelecto acima da razão, à qual seria impossível compreender o infinito[^5]. Durante o mesmo *quattrocento*, seu contemporâneo Alberti desenvolveu a perspectiva linear e matematizada como um dos sistemas de representação do mundo[^6], porém este era apenas um dos instrumentos à disposição dos artistas para efetuar seu trabalho. Com o tempo, a *razão* passou a ser entendida como a *única* forma de compreender o mundo, recusando as outras formas de acesso pelo fato de elas não serem capazes de conduzir à certeza --- e busca da certeza é o desafio da modernidade.​Não é à toa que Descartes afirmou que se comprazia "sobretudo com as matemáticas, por causa da certeza e da evidência de suas razões", e convém lembrar que a certeza não pode ser identificada simplesmente com a verdade. A *verdade* tem caráter objetivo, pois somente poder haver uma descrição correta do mundo, mesmo que o conhecimento dessa verdade caiba apenas a alguns poucos iluminados. Já a *certeza* é um estado subjetivo, pois, enquanto as verdades comumente aceitas são frutos da tradição, a certeza é fruto de uma apreciação pessoal. A certeza é uma experiência pessoal, assim como a fé. Mas, se ter fé é ter certeza sem ter motivos, a certeza que buscam os homens modernos é uma certeza objetiva, motivada, justificada por argumentos racionais. Ao perceberem que a certeza antiga era fundada na crença acerca da tradição e da autoridade, os modernos buscaram um novo fundamento para a certeza.​